Pensamento Vadio

Janeiro 21 2009

Toda de preto, salto alto, cabelo apanhado e guarda-chuva na mão, assim andava ela.

Passeou-se pela baixa do Porto. Sozinha, com o ar fresco a bater-lhe na cara e a contemplar a beleza de alguns edifícios, misturou-se com a multidão que atarefada corria aquelas ruas. Ela não corria, ela andava sem pressa. Leve como uma pena, parecia que cada passo tinha um significado. Era o silêncio, o ser apenas mais uma na multidão, ser um alguém em que ninguém repara e mesmo assim isso não importava. 

Reduzida à sua insignificância perante o Coliseu, o Teatro Nacional São João, os artistas de rua, mas por outro lado a imaginação dela ganha ainda mais vida quando passa o eléctrico. Ela sonhava. Ela vagueava. Ela pensava. Ela passeava. Ela alivia o stress. Ela desintoxicava-se do dia -a- dia e da monotonia. Ela apreciava avidamente o silêncio e o contraste entre a azáfama das outras pessoas e a calma dela.

Ela desceu as escadas, entrou na estação e foi para o seu reino encantado.

Ela era eu, pelo menos por 3 horas.

 

publicado por pensamentovadio às 19:04
Tags:

"O misterio não é um muro onde a inteligência esbarra, mas um oceano onde ela mergulha". Mas o pensamento não esbarra esse derruba e segue em frente!
mais sobre mim
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Woman in black!

pesquisar
 
Recepção de pensamentos
pensamentovadio@gmail.com
Contador (13.11.08)
Desenvolvimento de sites
Desenvolvimento de sites
subscrever feeds
blogs SAPO